Habitação
Compra de habitação bateu recordes de 2021, com volume de negócios de €28.100M
Os preços das casas subiram 9,4% em 2021, e aceleram no final do ano. Nos últimos 5 anos, o valor transacionado aumentou 65,5%, quase o dobro da subida de 27,6% do número de transações.
25/03/2022
HABITAÇÃO Doutor_Finanças_Renegociação_Crédito Habitação_1 (1).png

Em 2021, foram transacionadas 165.682 habitações, mais 20,5% que em 2020, num valor global de 28.100 milhões de euros, mais 31,1% que no ano anterior.

Segundo os números do Índice de Preços da Habitação do INE, estes são os registos mais elevados registados desde o início desta série. As casas usadas registaram subidas de 22,1% e 34,2%, respetivamente, em número e valor das transações. Já as habitações novas subiram 12,9% e 21,7%, respetivamente.

O ano começou com uma descida no número de transações, devido às restrições da pandemia, mas a dinâmica foi de crescimento a partir de março, com aumentos homólogos superiores a 50% entre abril e junho.

No que diz respeito ao volume de negócios, só janeiro e fevereiro registaram reduções homólogas dos valores, de 20% e 10%. Desde março que o valor das transações foi subindo, com a sua expressão máxima no 2º trimestre, de 68,1%, desacelerando para cerca de 35% nos trimestres seguintes.

Na segunda metade do ano manteve-se o aumento do número de transações. Foram realizadas 45.885 transações, mais 17,2% que em igual trimestre de 2020 e mais 5,6% no trimestre anterior. O volume de negócios fixou.se nos 8.200 milhões de euros, mais 34,9% que em igual período de 2020.

O INE destaca que nos últimos 5 anos o valor das casas transacionadas aumentou 65,5%, o dobro da observada no número de transações, que subiu 27,6%.

Por outro lado, segundo o INE em 2021, os preços da habitação registaram uma variação média anual de 9,4%, mais 0,6% que em 2020. Segundo os números, a subida homóloga foi mais intensa nas casas usadas, de 9,6%, do que nas casas novas, de 8,7%.

A tendência foi de aceleração da subida dos preços no último trimestre do ano, que registou uma variação homóloga de 11,6%, 0,1% acima do observado no trimestre anterior. Neste período, as casas usadas aumentaram de preço em 11,9% e as novas 10,6%.

Em 2021, 47.699 transações de compra e venda de casa registaram-se na região Norte, e 51.014 na Área Metropolitana de Lisboa, 59,6% do total. Esta última região registou um volume de negócios de 12.000 milhões de euros, 42,6% do total.

As duas regiões foram as únicas que perderam quota relativa. O Alentejo e o Algarve aumentaram os pesos relativos para 7,4% e 8,8%, respetivamente, num total de 12.227 e 14.563 transações.

Entre 2019 e 2021, registaram-se 24.988 transações feitas por clientes residentes fora de Portugal, num valor de 7.300 milhões de euros. Estes clientes representam 40,3% e 45,8% do número e valor das transações no Algarve, e 23,1% e 35,4% em Lisboa, respetivamente.

Fonte: Vida Imobiliária