Investimento
Lisboa em 16º lugar entre as melhores cidades para investir em imobiliário
Lisboa liderou o ranking em 2019, descendo depois para 10º lugar em 2020 e para 15º em 2021.
12/11/2021
Lisboa turismo.jpeg

Lisboa desceu no ranking das melhores cidades europeias para investir em imobiliário, e ocupa agora a 16ª posição da lista das cidades mais atrativas para investir em 2022 do estudo “Emerging Trends in Real Estate Europe 2022 – Road to Recovery”, elaborado pela PwC e pelo Urban Land Institute.

Este estudo é baseado em centenas de questionários e entrevistas efetuados a 844 especialistas do setor do investimento imobiliário, incluindo investidores, gestores de fundos, promotores, financiadores e consultores. Mostra que os investidores imobiliários se mantêm atentos e interessados no mercado europeu, que continua a ser visto como um refúgio de investimento, Lisboa incluída.

Segundo refere o estudo, «o imobiliário ligado ao turismo de lazer deverá recuperar de forma sólida das ondas da pandemia». Outro dos inquiridos no estudo refere que muitos investidores se estão a voltar para mercados alternativos, «como Lisboa, Madrid, Milão ou Amesterdão», que continuam a beneficiar dos preços elevados de Paris ou de várias cidades da Alemanha.

Lisboa continua atrativa, mas falta produto para investir

Os especialistas participantes no debate que decorreu durante a apresentação deste estudo parecem concordar que Lisboa continua a ser atrativa para os investidores internacionais, que manifestam todos os dias o seu interesse, mas que, muitas vezes, não encontram oferta do produto que procuram.

O Built to Rent é um dos tipos de produto que mais falta no mercado português, e é um dos mais procurados pelos investidores por toda a Europa. Segundo o idealista/news, os especialistas concordam que é precisa mais clareza legislativa em Portugal, um dos principais entraves à entrada de investidores no país.

Destino Europa mantém-se forte depois da pandemia

O ranking de 2022 é liderado por Londres, seguida por Berlim, Paris, Frankfurt, Munique, Madrid, Amesterdão, Hamburgo, Barcelona e Bruxelas, que encerra o top 10. Segue-se Milão, Viena, Dublin, Zurique, Varsóvia e Lisboa, seguida pelo Luxemburgo, Copenhaga, Estocolmo e Manchester, a encerrar o top 20.

Este estudo destaca que a Europa vai continuar a atrair capital de todo o mundo devido aos fundamentais económicos das suas oportunidades de investimento que, em comparação com outras, se mantêm atrativos.

«À medida que as economias europeias recuperam depois da pandemia, há uma clara subida da confiança entre os líderes da indústria, apesar de vários ainda se estarem a adaptar às mudanças radicais do negócio do imobiliário que a pandemia impôs ou acelerou». Seja como for, o estudo «reflete um sentimento geral de alívio e otimismo da indústria, que superou com sucesso o pior da pandemia, e que o imobiliário continua a ser uma classe de ativos favorita».

Nota também para o facto de que «os investidores consideram que a sustentabilidade tem um grande impacto no investimento imobiliário no imediato, e não apenas numa data abstrata no futuro». Mais de 61% dos inquiridos afirma estar preocupado com esta matéria, acima dos 49% do ano anterior.

Fonte: Vida Imobiliária